11/06/2018

Assembleia dos professores do Ensino Superior realizada na quinta-feira, 7/06 no SinproSP, e no sábado, 9/06 no Sinprosasco, autorizou o Sindicato a assinar nova Convenção, com mudança na cláusula do plano de saúde e definição de reajuste para 2018 e 2019. O mais importante é que o plano de saúde continua garantido e também os direitos foram renovados por mais dois anos, até 2020.

Os principais pontos são os seguintes:

 Manutenção dos direitos até fevereiro/2020
 Reajustes em 2018 e 2019: inflação acumulada entre março/2017 e fevereiro/2018 e entre março/2018 e fevereiro/2019. As instituições que optarem pela alteração no plano de saúde devem acrescer 0,86% em março/2019.
 Plano de saúde: as mantenedoras poderão adotar a coparticipação, regime no qual o trabalhador paga por parte das consultas e procedimentos médicos. Podem mudar ainda o cálculo de contribuição do trabalhador, que hoje é de 10% do valor do plano. Na nova regra, o professor assumiria também a diferença entre o índice de reajuste definido pela ANS para planos individuais e a sinistralidade.

A mudança depende de decisão da Mantenedora, mas não será automática, pois precisará ser encaminhada a uma comissão composta por representantes dos sindicatos de professores e auxiliares e mantenedores. A alteração também só poderá ser feita na data do aniversário do plano.

Negociações

Inicialmente, as negociações com o Semesp, sindicato patronal, estavam limitadas a um número reduzido de questões: reajuste, plano de saúde, bolsa de estudo e creche. As demais cláusulas da Convenção estavam garantidas até fevereiro de 2019.

A possibilidade de mudança na cláusula de plano de saúde permitiu encaminhar as discussões no sentido de estender todos os direitos até 2020. A comissão encarregada das negociações, da qual fazem parte vários sindicatos de professores e auxiliares e representantes dos mantenedores, concluiu nesta semana a proposta que agora está sendo analisada em assembleias de todo o Estado.